top of page
  • Foto do escritordaianicerezer

26ª Conferência Nacional aprova reivindicações da campanha

Aumento real de 5%, PLR maior e ampliação de direitos; fim do assédio e dos instrumentos adoecedores na cobrança de metas; defesa dos empregos, impactados pelos avanços tecnológicos no trabalho bancário; são três dos nove eixos de reivindicações


As 632 delegadas e delegados representantes de sindicatos de bancários de todo o país, reunidos em São Paulo, na 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, aprovaram, neste domingo (9), a minuta de reivindicações da categoria, que será entregue aos bancos nos próximos dias, para que se dê início às negociações da Campanha Nacional dos Bancários. Grande parte da delegação do Rio Grande do Sul participou remotamente por plataforma digital de videoconferência e votação.


“Os debates que realizamos aqui nesses três dias de conferência sintetizaram as propostas trazidas desde nossas bases pela Consulta Nacional e conferências regionais e estaduais, que foram realizadas em todo país e se somam às resoluções dos congressos e encontros específicos de trabalhadores de cada banco”, explicou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, Juvandia Moreira. “Faremos uma campanha que dialoga com os anseios da categoria e que nos levará, mais uma vez, à manutenção dos direitos garantidos em nossa CCT, à novas conquistas e ao aumento real, além de avanços nas pautas que são de toda a sociedade, como a redução da desigualdade social e econômica”, disse Juvandia. “Todas essas lutas nos conectam! E vamos juntos reconstruir o país que valoriza a classe trabalhadora e a população mais carente de nosso país”, concluiu.


O aumento real de 5%, PLR maior e ampliação de direitos; fim do assédio e dos instrumentos adoecedores na cobrança de metas, que tem causado tantos problemas para a saúde de bancárias e bancários, em especial os transtornos mentais; defesa dos empregos, impactados pelos avanços tecnológicos no trabalho bancário; são três dos nove eixos de reivindicações da minuta de reivindeicações da categoria, que será aprovada em assembleias que serão realizadas por sindicatos de todo país no dia 13 de junho, exceto nas bases dos sindicatos que aprovaram o refendo da minuta pela conferência nacional. Após a aprovação, a minuta será entregue à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para que se dê início às negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2024.


A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, também coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, Neiva Ribeiro, ressaltou que a categoria bancária é referência para as demais. “Neste ano, faremos uma grande campanha que, além de garantir nossos direitos e novas conquistas, será também um potente movimento por uma sociedade mais justa, inclusiva, no qual as pessoas e o meio-ambiente sejam as prioridades. Vamos juntos, a conquista está em nossas mãos”, disse.


Neiva destacou a organização da 26ª Conferência Nacional e a união da categoria para lutar pelas reivindicações aprovadas. “O futuro que queremos está em nossas mãos, o futuro que queremos faremos juntos e faremos agora. Um futuro com um emprego decente, com melhor remuneração, com melhores condições de trabalho, com jornada de quatro dias, com saúde mental preservada, com meio ambiente preservado, com o sistema financeiro regulado, com os bancários representados como bancários, com a redução das taxas de juros para estímulo do desenvolvimento econômico e social, com um Banco Central que atue para o interesse de um Estado brasileiro, não para especulação e para o financiamento de um grupo de bilionários do Brasil. A gente está aqui muito unido, muito fortalecido, com muita garra e energia, com muita esperança de que nós vamos construir isso tudo”, destacou a presidenta do Sindicato e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.


Veja abaixo os nove eixos da pauta de reivindicações:


I. Aumento real de 5% (inflação + 5%), PLR maior e ampliação de direitos;


II. Fim do assédio e dos instrumentos adoecedores na cobrança de metas;


III. Representação de todos os Trabalhadores do Ramo Financeiro;


IV. Defesa dos empregos, impactos dos avanços tecnológicos no trabalho bancário;


V. Redução da taxa de juros para induzir o crescimento econômico e geração de emprego e renda;


VI. Reforma tributária: tributar os super ricos e ampliar a isenção do IR na PLR;


VII. Fortalecimento das entidades sindicais e da negociação coletiva;


VIII. Ampliação da sindicalização;


IX. Fortalecimento do debate sobre a importância das eleições de 2024 para a Classe Trabalhadora na defesa de seus direitos e da Democracia: eleger candidatos e candidatas que tenham compromisso com esta pauta.


Fonte: Contraf/CUT

20 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page