top of page
  • Silvia Medeiros

De portas abertas para o crime

Projeto de lei da Câmara de Vereadores pretende retirar portas de segurança nas agências bancárias

Pronto para ser votado em plenário na Câmara de Vereadores de Florianópolis, o Projeto de Lei 18.459/2022 de autoria do vereador Roberto Katumi (PSD), pretende alterar a lei 186/1997 e tirar a obrigatoriedade das agências bancárias de terem portas de segurança. O PL tem resistência do Sindicato dos Trabalhadores no Ramo Financeiro - Sintrafi Floripa, por entender que a mudança gera fragilidade na segurança e é apenas o primeiro passo, pois objetivo mesmo dos bancos é retirar os vigilantes colocando assim em risco os bancários e a população.

De acordo com o presidente do Sintrafi, Cleberson Pacheco Eichholz, a mudança na lei contraria os anseios da sociedade. "A sociedade catarinense tem visto um aumento nos índices de violência e espera das autoridades medidas para frear este crescimento. No entanto, este projeto flexibiliza medidas que tem se mostrado eficazes contribuindo ainda mais para o crescimento da criminalidade", destaca Cleberson.


Para Marco Silvano, coordenador da Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Santa Catarina – Fetrafi/SC, a tentativa de retirar as portas de segurança em Florianópolis, faz parte de um projeto nacional capitaneado pelos banqueiros, que visa flexibilizar cada vez mais a segurança nas agências, sem preocupação com a vida dos seus funcionários e clientes. “Percebemos projetos parecidos em diferentes capitais do país, considerando que este debate de flexibilização da segurança não avançou na mesa de negociação a estratégia dos bancos passou a ser derrubar leis municipais que garantiam segurança nas agências”, ressalta Marco.


O sindicato iniciou uma campanha de debate com a sociedade, a fim de mostrar os prejuízos para toda a população da retirada da obrigatoriedade de itens importantes de segurança, principalmente em agências bancárias que são alvos recorrentes de assaltos.

Comments


bottom of page